FLERTE

Entre tantos convidados, ela percebeu apenas um. Ele estava em um canto da sala, segurando um copo de uísque e conversava, sabe-se lá o quê. Ela não se importava, queria que ele virasse e percebesse sua presença. Ele tinha um estilo próprio, uma calça de linho solta, com uma camisa do mesmo tecido e um sapato todo estiloso, rústico e moderno ao mesmo tempo. Seu cabelo era de um dourado magnífico, todo desestruturado, nem curto, nem comprido. O sorriso iluminava o seu rosto e os olhos eram de um verde-oceano.

Ela usava um vestido de crepe de seda leve com rosas vermelhas estilizadas que exaltava suas curvas, o rasgo lateral trazia ao seu caminhar uma sensualidade ora revelada, ora não. Nas costas, um decote profundo revelava uma pele bronzeada do sol e mechas de cabelo desprendidas de um coque meio solto, meio preso. Usava uma sandália vermelha, de salto altíssimo, toda aberta, apenas com duas tiras e duas pequenas pedras de diamantes em cada uma delas. Um luxo! Seus olhos eram negros e amendoados, e seu sorriso era encantador.

 

Resolveu mudar de lugar e posicionou-se um pouco distante, mas de frente para ele. Após alguns minutos, ele, ainda absorto na conversa com um amigo, olhou em direção a ela, percebeu-a e voltou a conversar. Mas aquela imagem de apenas alguns segundos mexeu com ele. Ele olhou de novo e agora sim, olhou mesmo. Os olhos, o detalhe dos fios de cabelo soltos, os pés sobre uma maravilhosa sandália, aquela pele bronzeada do sol; ele nem mais escutava o que o amigo dizia, estava perdido na figura daquela mulher. Ela retribuiu o olhar. Os dois sorriram.

 

O amigo o cutucou e perguntou se ele ouvia o que ele estava falando. Ele pediu desculpas e dirigiu-se até ela. Ela começou a sentir suor nas mãos, uma sensação gostosa invadiu seu corpo, tentou disfarçar, mas não havia mais tempo, seu corpo pulsava emoções do querer conhecer, de não saber como seria, da vontade de estar e não saber se aconteceria. Ele parou diante dela e ficou alguns segundos em silêncio e, sem dizer uma palavra, roubou-lhe um beijo.

 

Ela se entregou ao beijo, um beijo rápido, um encostar de lábios. Ele afastou um fio de cabelo que estava próximo ao rosto dela, sorriu e a convidou para dançar. Seus corpos unidos e embalados pela voz magnífica de Ella Fitzgerald, era como se estivessem imersos um no outro. Ela tentou perguntar o nome dele; delicadamente, ele colocou o dedo sobre o seu lábio e acenou que não. Encostou seu rosto no dela e sussurrou em seu ouvido que não era preciso dizer uma palavra, apenas sentir. Ele queria apenas senti-la em seus braços.

 

A atração foi imediata. Eles se olharam, encostaram uma testa na outra, a mão dele deslizou sobre o decote do vestido dela, os olhares se cruzaram e eles se beijaram. Um beijo apaixonado. A música terminou, ele a segurou pela mão e caminharam em direção à saída. Saíram abraçados, cheios de paixão e prontos para protagonizarem mais uma linda história de amor, ou apenas uma inesquecível noite de amor.

Copyright © 2011 - Todos os Direitos Reservados à Marcela Re Ribeiro - Reprodução Proibida

LIVROS DA AUTORA

​SIGA-ME

  • Facebook Classic
  • Instagram ícone social
  • LinkedIn ícone social
  • Twitter Classic
  • c-youtube

© 2018 Todos os Direitos Reservados à Marcela Re Ribeiro